CONHEÇAO AROLDE

mask
Neste espaço você pode navegar em fotos do acervo do Centro de Memória Arolde de Oliveira, passando por toda a biografia do menino de São Luiz Gonzaga até chegar aos dias atuais, navegando pela formação acadêmica, carreira de engenheiro de telecomunicações, até, enfim, a carreira política. Basta escolher a década desejada para acompanhar os principais fatos. Para ter acesso à biografia completa do Deputado, basta clicar aqui .
1937
Em 11 de março, nascia Arolde de Oliveira, em São Luiz Gonzaga, Rio Grande do Sul.
1938
Filho mais velho de Sr. Horácio e Dona Margarida (foto). Seus irmãos eram quatro: Eloísa, Walter, Flávio e Inês.
1939
A primeira infância passou com os irmãos no campo. Como não havia escola por perto, sua mãe foi quem o ensinou a ler.
Com muito pouco recurso, criavam o suficiente para sobreviver. Nas terras da família viviam de criação de animais e agricultura para subsistência.
Descendente da família Pinheiro Machado, seus avós e pais viviam no campo. Na foto, o avô materno Homero Pinheiro Barboza.
1945
Sr. Horácio e Dona Margarida queriam que o filho estudasse, por isso, Arolde saiu do campo e foi morar em uma pensão no centro da cidade de São Luiz Gonzaga.
1946
Longe da família (com os irmãos na foto) Arolde teve que trabalhar para pagar seus estudos: trabalhou de engraxate e vendedor de ovos e verduras para os vizinhos.
1947
Durante a semana estudava e trabalhava na cidade. Nos finais de semana voltava ao campo para rever a família.
1948
Conseguiu, com muito esforço, iniciar os estudos. O curso primário fez na Escola Pinheiro Machado e o ginasial no Ginásio Santo Antônio de Pádua.
O curso Científico começou a fazer com padres franciscanos norte-americanos. Lá aprendeu francês, inglês, latim, cultura universal.
1953
Arolde não concluiu o Científico em São Luiz, para tentar a vida na capital gaúcha, Porto Alegre. Ingressou na Escola de Preparação de Cadetes de Porto Alegre (EPPA).  
1954
Na EPPA, formou-se cadete e resolveu seguir carreira ao preparar-se para a Academia Militar. Começava então a carreira militar.
1957
Ao ingressar na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) fez nova mudança: desta vez para Resende, no Rio de Janeiro.
1958
Na AMAN iniciou sua caminhada para tornar-se engenheiro eletrônico ao escolher fazer parte da Arma de Engenharia durante o Curso.
1959
Como atleta, Arolde já atuara pelo Clube Sogipa e pelo Grêmio em Porto Alegre. No Rio, defendeu o Fluminense.
1960
Arolde de Oliveira chega então à cidade do Rio de Janeiro. O aspirante a oficial ingressa no Instituto Militar de Engenharia (IME), para estudar o Curso de Engenharia Eletrônica na Praia Vermelha
1960
No mesmo ano, Arolde casa-se com Yvelise Assis Vieira. No ano anterior, viera ao Rio para disputar uma competição pelo Fluminense e conheceu a jovem e começou o relacionamento.
1961
Nasce a primeira filha: Marina de Oliveira. Paralelo à Engenharia, cursou Economia pela Faculdade de Ciências Econômicas, em 1964.
1965
Torna-se engenheiro eletrônico pelo IME e integra o Conselho Nacional de Telecomunicações, que deu origem ao Ministério das Comunicações. No mesmo ano, nasce seu segundo filho, Benoni
1967
Torna-se economista e é promovido a Capitão da Arma de Engenharia, mas desliga-se do Exército três anos depois.
1970
Entra para a recém-criada EMBRATEL, e especializou-se nos sistemas de telecomunicações. Foi escolhido para Chefe de Departamento de Operações, em Uberada, Minas Gerais.
1972
De Uberaba para Belém. Arolde foi o gestor da implantação do sistema de radiodifusão para a Amazônia com o slogan: “Esse fez ouvir a voz do Norte”. Arolde administrou a instalação de 20 estações.
1973
Foi nomeado secretário de telecomunicações do Ministério das Comunicações e também assessor do Presidente da TELEBRAS.
1976
Nova mudança: governou a International Telecommunications Satellite Organization (INTELSAT), chefiando o escritório Permanente da EMBRATEL, em Washington, nos Estados Unidos.
1979
De volta ao Rio, foi diretor Regional do Departamento Nacional de Telecomunicações e fundou mais de 200 clubes de PX.
1981
Fez Escola Superior de Guerra. Lá conheceu o Pr. Nilson do Amaral Fanini, da PIB de Niterói. Converte-se com toda sua família ao cristianismo. Fanini foi um dos entusiastas para ingressar na vida política.
1982
Organizou o "Reencontro Obras Educacionais e Sociais" no Maracanã que reuniu mais de cem mil pessoas e trouxe, pela 1ª vez, o Presidente do Brasil, na época João Figueiredo (centro), a um evento evangélico.
1983
Foi eleito como 1º suplente para o cargo de deputado federal pelo PDS. Assumiu o cargo, já em 1983, após Álvaro Valle se licenciar.
1986
Enquanto não substituía Álvaro Valle, foi vice-presidente da TELERJ. Instalou mais de 50 centrais telefônicas para famílias de baixa renda. Nas urnas, foi reeleito para deputado Federal, já pelo PFL.
1988
Durante a Assembleia Nacional Constituinte, Arolde de Oliveira fez 111 propostas que entraram no texto final da carta magna.
1992
Arolde inaugura a Rádio El Shaday FM, em 93,3 MHz, com programação exclusiva para os evangélicos e adquire a gravadora MK Publicitá, fundada por sua filha Marina de Oliveira 5 anos antes.
1993
Com o sucesso da Rádio El Shadday e de sua filha, a cantora gospel Marina de Oliveira (foto), Arolde promove o 1º "Canta Rio", atraindo mais de 150 mil pessoas à Quinta da Boa Vista.
1994
Em outubro, foi reeleito deputado federal pelo PFL, e apoiou a eleição de Fernando Henrique Cardoso a presidente.
1995
Defensor da privatização das telecomunicações presidiu a Comissão de Ciência e Tecnologia, e iniciou o processo de abertura das Telecomunicações no país.
1996
Relator da Lei Mínima das Telecomunicações, que, junto com a Emenda Constitucional 8, abriu caminho para a privatização do setor.
2000
Além do já tradicional “Canta Rio”, Arolde promove o “Canta Brasil 500”, o único evento gospel incluído no calendário oficial de comemorações dos 500 anos da descoberta do Brasil.
2001
Após 10 anos à frente, Arolde deixa a presidência do diretório regional do PFL do Rio de Janeiro para ir para a Executiva Nacional.
2002
É convidado pelo prefeito César Maia para ser Secretário de Transportes da Cidade do Rio de Janeiro. Ficou seis anos no cargo.
2007
Como Secretário de Transportes, organiza o planejamento de transportes para a XV edição dos Jogos Panamericanos Rio 2007.
2009
Ficha limpa, Arolde aprovou e defendeu o Projeto de Lei de Iniciativa Popular 519, a “Lei da Ficha Limpa”.
2010
Vence pela oitava vez consecutiva a eleição para deputado federal pelo Estado do Rio de Janeiro
2014
Eleito deputado federal pela 9ª vez consecutiva.
2016
Vota a favor do impeachment da Presidente da República Dilma Rousseff.
2018
Eleito senador da República pelo Rio de Janeiro com 2.382.265 votos. Deus quis.
2019
No dia 1º de fevereiro de 2019 assume o mandato de senador.